domingo, 18 de setembro de 2016

Minha Teografia

Nasci na Cidade de São Paulo - SP em 7 de novembro de 1984, meus pais são Jaci Pereira Lopes e José Sebastião dos Santos. Minha vida é cheia de graças pois minha mãe dificilmente teria filhos devido trabalhar num hospital em que sua atividade a deixava muito exposta à radiação, no entanto Deus a concedeu duas filhas onde sou a primogênita.
De família católica, fui batizada no Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração em 30 de Dezembro de 1984 por duas pessoas que amo muito, apesar da distância. Sempre fui muito bem acolhida e amada e como prova disso, vale ressaltar o carinho com que minhas primeiras professoras tinham para comigo. Elas, que eram mãe e filha, gostavam tanto de mim que sempre me levava a casa delas para me ensinar tarefas (relatos da mamãe).
Desde muito pequena sempre tive uma forte ligação com a figura da mãe, apegada a minha mãe e com fé em Nossa Senhora lembro-me que uma certa época, ainda pequenininha, meus materiais estudo de pequeno porte começaram a sumir. Eu nunca apanhei, mas lembro-me que fiquei bastante preocupada quando minha mãe chamou minha atenção para que eu desse conta do apontador que tinha sumido daí eu pedi a Nossa Senhora Aparecida (imagem que minha irmã e eu tínhamos ganhado) que me ajudasse a encontrar, no outro dia o objeto apareceu fiquei tão feliz que não esqueci até hoje.
Devido à violência, tivemos a graça de mudar para a cidade onde vivia a minha família materna: Porto Nacional - Tocantins. Aqui pude viver o sonho de cada criança: brincar com liberdade numa cidade tranquila. Moramos num setor um pouco distante do centro, mas a mercearia dos meus pais ficava lá, no terreno dos meus avós maternos. De um lado ficava a casa da família de um tio, do outro a casa da minha avó e no fundo do quintal ficava a casa da família de outro tio.
Durante a semana, por volta de 4h. e 30min., sempre íamos à nossa mercearia, pois uma das atividades do meu pai era de açougueiro e portanto tinha que começar, bem cedinho, tratar o gado. Quando chegávamos, corria para conversar com minha avó que já levantava para cuidar de suas plantas, limpar o quintal e etc. Ainda pela manhã, chegava a hora da escola: minha irmã, meus primos e eu íamos estudar e na volta brincávamos até anoitecer que era quando retornávamos para nossa casa. Por causa da convivência, alguns de nós fizemos a Primeira Comunhão juntos e disputávamos em muitas atividades, uma delas era de quem ia mais à Missa (o comprovante era o folhetinho) era muito bom.
Na minha adolescência conheci umas meninas que participava da R.C.C. (Renovação Carismática Católica) ainda nova por volta dos meus 13 anos passei a frequentar o Grupo de Oração Sagrado Coração de Maria, especialmente para louvar a Deus com aquelas músicas alegres com coreografias e ir para a pracinha curtir com meus amigos. Numa época, durante a animação o grupo ficava tão cheio que não cabia dentro da igreja, mas logo após esse momento muita gente saia, inclusive eu, para ficar na praça. Devido a isso os servos do grupo começaram a fazer evangelização lá fora levando quem ficava fora da igreja para participar do grupo.
Ainda nessa época, paralelo ao carnaval, iria acontecer o III Rebanhão de Jesus e Maria (evento da R.C.C.). As meninas, que eu citei acima, estavam empolgadas para trabalhar no evento. Então certo dia, na escola, elas conversando sobre esse tal Rebanhão me chamaram para ser lixeira. Eu, totalmente ignorante no assunto, indaguei comigo: Lixeira!? Como podem umas jovens estarem tão felizes e empolgadas para serem lixeiras!? Imaginava-me, nesse nobre ofício de gari, limpando a cidade e não conseguia ficar feliz como elas. Mas se minhas amigas iam eu queria ir também. Eu só entendi o que eu iria fazer quando começamos a nos reunir com o coordenador da equipe e demais membros par a rezar e nos organizar.
O III Rebanhão de Jesus e Maria foi um marco na minha vida, lá comecei a vivenciar mais profundamente os mistérios do Pai. Como era linda nossa equipe de limpeza! Limpávamos e rezávamos com muita alegria, amei ser lixeira, pra mim foi a melhor equipe que já trabalhei. Após o evento mudei de Grupo de Oração, comecei a frequentar o grupo do meu setor que se chama Anunciamos Jesus. Lá fui presenteada com o I Seminário de Vida no Espírito Santo e logo após com a Perseverança, trabalhei no Ministério para crianças e logo após entrei no Ministério de Música.
Minha passagem pelo Ministério para Crianças, assim como minha atividade de ser professora de Educação Infantil foi especial, pois fui muito liberta e recebi marcas de amor que até hoje levo com muita saudade e alegria. As crianças foram um grande e lindo instrumento de Deus em minha vida, pois era muito durona e ainda sou (menos que antes, mas sou) e tinha muita dificuldade em demonstrar afeto. No momento que estava com elas aquele muro era derrubado eu me jogava e amava ver a pureza em seus corações. Hoje já estão bem maiores e são jovens lindos, mas sempre serão meus pequenos que amei, amo e amarei enquanto existir.
Então! voltando a escrever sobre as outras Marcas que Deus deixou em minha vida. Lembro-me que participando do Grupo de Oração, foi solicitado que todos nós visitassemos Jesus Eucarístico todo dia, nem que seja por poucos minutos, mas que fossem. Eu comecei a visitar o Santíssimo ao meio dia e foram os melhores momentos da minha vida, sempre é muito profundo está diante de Jesus e Eucarístico. Lá passei a ouvir a voz de Deus por meio de sua Santa Palavra. Deus é tão presente que quase dá pra ouvir o tom de sua voz.
Alguns anos se passaram e Deus vem aperfeiçoando aos poucos os dons que me confiou, Ele vem colocando suas marcas em minha vida: em cada encontro, reunião, oração. Creio que a cada dia Deus vem me transformando esse vaso velho que sou eu, num vaso novo.


(Teografia¹ de Michelly Pereira dos Santos, 17 de Setembro de 2016)



1 - Esse termo, teografia, foi criado por um teólogo espanhol, e tem como objetivo ajudar as pessoas a perceberem as marcas de Deus na própria vida; [teo-grafia = escrita de Deus]. (Extraído de: http://catecom.blogspot.com.br/2013/02/teografia-o-lugar-sagrado-em.html)

domingo, 29 de março de 2015

Se a gente bem pensasse não perderia tempo

Se a gente bem pensasse aproveitaria cada abraço
Aproveitaria cada gesto de carinho

Se a gente bem pensasse pararíamos de complicar a vida
Viveria em infinito amor

Se a gente bem pensasse abraçaríamos com todo carinho
Não deixaríamos nenhum momento passar sem amor

Se a gente bem pensasse cuidaríamos daqueles que o Senhor nos presenteou
Não abandonaríamos aqueles que deveriam ser amados

Se a gente bem pensasse correríamos aos braços de quem amamos
E de lá não sairíamos até que a luz da vida se apague.

E quebrando a sequência: AME, AME E AME.
SE VOCÊ AINDA PODE LUTE E VIVA O AMOR.
NÃO PERCA TEMPO SE AFASTANDO
TALVEZ NÃO HAVERÁ MAIS TEMPO PARA RECONCILIAÇÃO.

Santos. Michelly Pereira, 29/03/15


sexta-feira, 13 de março de 2015

Fase do Sofrimento: Viva-a e amadureça

Quantas vezes em nossas vidas nos encontramos tristes, abatidos, temerosos. Nessas fases é comum buscarmos o auxílio de um amigo para desabafar, para dividir com ele a dor. Mais do que isso, buscamos solução, buscamos que o outro tenha a resposta, o remédio, a luz que nos ajudará a sair dessa fase o quanto antes.

Já pensou em viver esta dor, aprender com ela e crescer efetivamente? Por melhor que sejam nossos amigos e seus conselhos, eles não nos conhecem completamente, sabem apenas o que queremos mostrar. Não que sejamos falsos, mas sim inseguros.

Viver cada segundo de sofrimento pode ser muito difícil, sentir na integralidade toda a dor não será fácil, mas poderá ser melhor. Perguntar para quem mais te conhece – você mesmo - o porquê daquilo, onde estão seus erros e acertos com certeza será bom.

Por meio do sofrimento é possível enxergar quem somos. Se egoístas, prepotentes, frágeis, orgulhosos... Nesse momento podemos enxergar o que em tempos de contentamento é insignificante aos nossos olhos. Pois é mais fácil lembrar-se de cada derrota, cada tapa do que nos lembrarmos de todas as vitórias ou momentos de graça.

Devemos tentar ouvir a nós mesmos, ao que diz o nosso coração.
Devemos aprender a pesar nossos acertos e falhas, e tentar redirecionar nossa vida para o bem.
Devemos sim procurar os amigos, mas também é importante filtrar o que será bom para nós.

É preciso encarar a vida em todas as suas fases.
É preciso ouvir e refletir tudo o que nos rodeia.
Temos que parar de aceitar apenas o que queremos,
é preciso aprender a aceitar o que precisamos.

A gente precisa aprender que a vida é feita de fases,
e temos que viver bem cada uma delas.
Há momentos que precisaremos de uma palavra amiga,
mas haverá momentos que o silêncio dos que nos rodeia será mais valioso.

Lembre-se por mais difícil que seja a solidão, o silêncio.
Por maior que seja seu temor...
haverá um dia que terás que caminhar sem apoio do que te cerca,
haverá um dia que deveremos nos soltar do que nos prende.

Só assim ganharemos mais confiança em nós mesmos
Só assim erraremos menos e acertaremos mais.
A vida é uma escola onde sempre teremos algo a aprender.
Viva cada fase e tire de cada uma dela o melhor para você.

Autora: SANTOS. Michelly Pereira 13/03/2015

domingo, 25 de janeiro de 2015

Sinto que minha pele já apanhou tanto que não é capaz de sentir mais nada.

Michelly Pereira dos Santos 18/01/15 02:57 da manhã.

Há ...

Há aqueles que cuidam rigorosamente do corpo para ter mais beleza, juventude e saúde;
mas não cuidam com tal zelo de sua alma.
Esquecem de que uma alma sem o corpo vive,
Mas já o corpo sem a alma torna-se nada mais que podridão


Há aqueles que cultivam a inteligência e esperteza com veemência,
mas não procuram a Sabedoria com a mesma vontade.
Não entendem de que nada vale ter inteligência, se não és sábio para saber usá-la.



Há aqueles que passam a vida correndo atrás de amores e cargos para ser felizes,
mas se esquivam a dar um passo a quem realmente é fonte de de toda a felicidade (DEUS).

Há aqueles que sonham e esperam que um Milagre Deus realizará.
E é aqui que faço parte...Teu milagre)

18/01/2015 às 02:10 da manhã - Michelly Pereira dos Santos